Bairros da periferia vivem com infraestrutura precária

A realidade dos moradores que moram nos bairros afastados do centro da cidade é realmente difícil. A Gleba H, Santa Maria e outras localidades da região são exemplos do descaso e do abandono. Entre muitas queixas dos moradores, a nossa equipe encontrou na manhã desta segunda-feira (6), pontos de lixo, ruas sem calçamento, buracos nas vias, esgotos a céu aberto, entre tantos problemas pontuados pela comunidade.

De acordo com os moradores dos bairros visitados, as dificuldades encontradas com a limpeza do local, calçamento e atendimento do Posto de Saúde da Familia são os principais problemas. A presidente d Associação de Moradores de Satuba, Elisângela de Jesus, afirmou a assessoria de comunicação de Júnior Borges que o PSF não marca exame há mais de um mês. “Os moradores estão tendo que acordar quatro horas da manhã para tentar um atendimento em outros postos”.

Segundo a presidente, o PSF atende cinco localidades da região. São elas: Gleba H, Buri, Satuba, Santa Maria e Loteamento Maria Emília. Portanto, essas cinco localidades estão sem poder marcar consultas e, como se não bastasse, a única médica que atendia deixou o seu posto na última quinta-feira (2).

Francisca Conceição, que é usuária do PSF da Gleba H, disse que duas idosas que recebiam tratamento pelos profissionais do posto estão desamparadas. “Elas estão precisando de fraldas e de um acompanhamento médico urgente”.

Segundo Francisca, uma das idosas já tem 105 anos. A outra tem 98 anos e não consegue se movimentar. Até mesmo a alimentação é uma tortura para a senhora de 98 anos, segundo Francisca. “A gente da comunidade que ajuda ela. Até pra comer é difícil, porque ela não tem força para engolir. A gente não consegue levar ela para o hospital porque ele sente dor só de tocá-la”, acrescentou.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.