“O boxe é a mudança da minha vida”, diz Hebert Conceição

Com apenas 23 anos e uma vitoriosa trajetória no boxe, Hebert Conceição conseguiu escrever seu nome na história olímpica do país. O lutador se tornou o segundo atleta a colocar uma medalha dourada no peito na disputa. O primeiro foi o conterrâneo com o mesmo sobrenome, Robson Conceição, na edição anterior dos Jogos Olímpicos.

“Hebert nos deixa o exemplo de que devemos acreditar no esporte como forma de superar os desafios e dificuldades e que precisamos acreditar na potência dos nossos jovens e investir cada vez mais em políticas de acesso e incentivo ao esporte.” Júnior Borges.

Para conhecer um pouco sobre o atleta, que se tornou mais um símbolo do estado no boxe, o Portal A TARDE resolveu realizar uma brincadeira. Em entrevista exclusiva, Hebert aceitou participar de um ‘pinga fogo’, que consiste em perguntas curtas e diretas, onde ele precisou escolher entre duas alternativas ou discorrer sobre uma no formato simples.

Torcedor fanático do Esporte Clube Bahia, o lutador precisou escolher entre “Nonato ou Gilberto” e, inclusive, se preferia ver o Tricolor de Aço vencer o terceiro título nacional ou a seleção brasileira conquistar o tão sonhado hexacampeonato mundial. Além das brincadeiras, Hebert ainda falou sobre a importância do boxe e deixou uma mensagem para os mais jovens que desejam ingressar no esporte. Confira:

Para começar leve, Mike Tyson ou Evander Holyfield?

Rapaz (risos), vou de Holyfield.

Vitória rápida por nocaute ou com emoção decidida nos pontos?

Rápida por nocaute, sem dúvidas.

Popó ou Maguila?

Popó.

Bahia tricampeão brasileiro ou Brasil hexacampeão mundial?

Prefiro o Bahia tricampeão brasileiro, com toda a certeza (risos).

Nonato ou Gilberto?

Caramba, essa me pegou. Agora você me colocou em uma saia justa… Rapaz, no momento, acho que vou escolher Gilberto, até por estar presenciando toda essa fase. Mas também tem que levar em consideração que Nonato tem uma história incrível no Bahia. Mesmo assim, hoje eu vou de ‘Giba’.

Pipoca ou camarote?

Rapaz, sempre preferi curtir o Carnaval na pipoca. Mas acredito que agora eu não consigo mais. Então, por conta disso, vou ter que escolher o camarote (risos).

A melhor luta que você já assistiu

De boxe, você fala? Pergunta difícil… Mas acho que vou escolher a semifinal dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, entre Robson Conceição e o cubano Lázaro Alvarez.

Melhor luta da sua carreira

Acredito que a final dos Jogos Olímpicos. Não diria na questão de performance, mas sim por tudo que ela significou e a maneira como aconteceu. O desempenho talvez não tenha sido o melhor, acredito que consigo mais. Mas pelo contexto da luta em si, tudo significou e a maneira que ocorreu, além da valorização que me trouxe. Com certeza foi essa decisão dos Jogos Olímpicos, Brasil e Ucrânia.

Apesar da performance, o baiano escolheu a final de Tóquio como a
Apesar da performance, o baiano escolheu a final de Tóquio como a “luta da sua carreira” | Foto: Divulgação

Melhor adversário que já enfrentou (nas Olimpíadas ou não)

Eita… Rapaz, eu já enfrentei esse ucraniano (Oleksandr Khyzhniak) duas vezes. Acho que vou com ele, né? Enfrentei duas vezes e fico impressionado pela forma como ele sempre se apresenta nos ringues. Acho algo extremamente admirável. Apesar de não ser tão técnico, mas, de maneira geral, ele é um excelente atleta. O cara parece um robô, uma máquina de atirar golpes (risos).

Uma luta que mudaria a carreira

Pô, a semifinal do campeonato mundial, em 2019… Aliás, não. Com certeza, a final do Pan-Americano de Lima, contra o cubano (Arlen López). Eu tenho para mim que perdi aquela luta na cabeça, no aspecto psicológico. Então, com certeza, se eu pudesse, seria algo que tentaria fazer diferente.

O que representa o boxe para você

O boxe representa quase tudo em minha vida. É o meu meio de sobrevivência. Foi através do boxe que consegui realizar meu maior sonho de atleta, meu maior sonho profissional. Então o boxe foi responsável por me proporcionar meus melhores sentimentos. Eu conheço praticamente quase o mundo inteiro graças ao boxe. Também conheci grandes pessoas e tive muitas experiências bacanas para a minha vida. Hoje eu sou um cara de apenas23 anos, mas muito vivido. E eu devo isso ao boxe. Somente por ser o meu meio de sustento, já representa muito em minha vida. Foi a ferramenta que me ajudou a virar o homem que eu sou, em paralelo à minha educação familiar. Por isso, o boxe significa a mudança da minha vida.

Uma mensagem aos jovens que estão começando no boxe

Não importa de onde a gente veio e nem nossa condição atual. O importante é onde desejamos chegar e o quanto estamos dispostos a trabalhar e pagar o preço para atingir esse objetivo. Porque, independente de nascer pobre ou rico, se temos uma meta na vida, precisamos trabalhar e o caminho nunca vai ser fácil. Mesmo assim, precisamos ter a maturidade para passar pelos momentos difíceis e continuar trabalhando. Então, temos que pagar o preço e plantar. Com certeza, iremos colher bons frutos no futuro, assim como foi comigo.

Fonte: A Tarde

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.